segunda-feira, 21 de novembro de 2016

A hidra






Da remota hidra milacéfala um hálito pestilento subsiste
que ameaça de morte a pulsão pela luz, essa mutação persistente dos humanos

A verdade  - cada vez mais radiosa - decai sob esse hálito bafiento
estilhaça e decompõem-se nos pauis da miséria e do temor

Dos seus detritos se fabricam elixires que promovem glórias vãs
equivocas perfeições, avulsas felicidades temporárias

A hidra vai assim logrando recuperar a sua cabeça perdida
e força a humanidade a perder a sua e a regressar à primeva gruta onde nasceu

Daniel D. Dias

Sem comentários:

Publicar um comentário