terça-feira, 27 de setembro de 2016

Existirmento



Existirmento
momento a momento
a ento
a eito
é o meu tormento
o meu alento
que levo a peito

É a minha a-razão
a-lusa alusão
confusa confusão
ou, se melhor entendeis
o meu canhão
e provisão de ilusão
p'ra que vos encanteis

Para que exirtirmento
existirminto
invento
invinto
às vezes com algum tinto
e com sofrimento
pinto

ponto

Daniel D. Dias

terça-feira, 9 de agosto de 2016

"Pax americana" e cozidinho


Nada tenho contra os EUA. Sou grande admirador de muitos dos seus valores, valores que modernizaram mundo: do livre empreendedorismo, à liberdade criativa; do automóvel, à película fotográfica; da eletrificação, ao Macintosh; da vacina anti poliomielite à conquista espacial; do jazz à cultura pop; de Walt Whitman a Ernest Hemingway, balança toda essa minha admiração sincera que não se esgota aqui. Mas não aprecio a sua deriva imperial das últimas décadas, exportadora de violência militar e económica, de invasões a países soberanos, de suporte ativo a regimes retrógrados e desumanos, de difusão massiva de ideologias promotoras do egoísmo exacerbado e doentio, da apologia e banalização da violência, da subordinação da natureza e dos direitos humanos dos povos – incluído do seu próprio povo – aos interesses económicos dos grupos monopolistas que controlam o poder.

A dominância deste país tem criado raízes em quase todos os países do mundo. Sobretudo a ideológica, ou seja, a forma de pensar que subjaze a qualquer cultura. A “american way of life”, fortemente influenciada pelo condutismo de Watson, e, em especial, de Skinner, projetou-se de forma avassaladora por todo o mundo, gerando uma tal “americana pax”, recheada de contradições, de conflitos militares, de golpes de estado, de muito consumo supérfluo, de muita degradação ambiental, e de uma paz precária, ilusória ou muito condicionada.

Tudo isto foi possível graças à dominância que os EUA granjearam nos “media” mundiais. Hollywood foi naturalmente um dos seus pilares primordiais. Mas o controle que dispõem atualmente, direto e indireto, da internet, das centrais de comunicação e notícias, dos conglomerados de entretenimento e das redes por cabo, das centrais de distribuição dos conteúdos multimédia (filmes, séries, documentários), dos grandes grupos de publicidade, permite-lhes promover guerras “em diferido” – por exemplo as chamadas revoluções coloridas, as primaveras árabes -, tudo com menor necessidade de intervir diretamente no terreno, sobretudo com meios humanos. O armamento, o apoio mercenário, obviamente, também faz parte, mas segue depois.

Lembro-me que nos finais dos anos oitenta se discutia a possibilidade de liberalizar as rádios e as televisões em Portugal. Este fenómeno aconteceu em todo o mundo e em Portugal teve grande relevância. Depois de imensa controvérsia dominou a ideia que mais convinha à “pax americana”: acabar com a balbúrdia comunicativa que proliferava – a chamada “pirataria” - e entregar os “media” a grupos “civilizados” ligados a grandes interesses. Nasceu a SIC, a TVI… Na altura pagava-se uma taxa à TV pública, que era considerada um escândalo. Eram apenas alguns Euros por ano, mas geraram grandes protestos. Se havia publicidade paga, porque havia de haver taxa? Eu também protestei… Os novos grupos (e a nova orientação do setor) prometeram – a pretexto da liberalização – acabar com essas taxas. E assim foi, de princípio. Mas a situação aos poucos mudou radicalmente. A introdução da TV por cabo passou a ser paga, sem qualquer oposição. Depois começou a veicular publicidade (paga) na própria programação, apesar dos utentes pagarem um preço elevado pelo serviço. Mas nunca, até hoje, ouvi ninguém esboçar um esboço de revolta perante esta situação. Onde terá ficado essa contestação às taxas?

Mas o pior – para mim, bem entendido – é que estes serviços servidos ao domicílio e pagos principescamente, só veiculam a “pax americana”. Abro a TV (por cabo, claro) e só assisto à versão americana do mundo. Mais de 90% - não exagero - dos filmes e séries apresentados são norte americanos ou similares. Até mesmo nos canais ditos “Premium” (pagos à parte) só muito raramente e numa percentagem mínima se mostram filmes europeus ou de outras proveniências não americanas. Onde foi parar o “free cinema” inglês, a “nouvelle vague” francesa, o novo cinema alemão, o exaltante cinema italiano? Onde param os refrescantes cinemas, japonês, russo, canadiano, húngaro, jugoslavo? Nada sobrou? Eclipsaram-se? Ah: Os efeitos especiais massivos, as tecnologias de ponta, superaram tudo... É isso.

Outro aspeto pérfido deste predomínio ideológico da “pax americana” pode apreciar-se na singular coincidência temática dos filmes que nos são apresentados. Quando há qualquer acontecimento que aparenta fragilizar alguma faceta da “pax americana”, lá chovem os filmes que exaltam o papel dos americanos no mundo, seja na 2ª Guerra Mundial, seja na luta anti terrorista, seja nas diatribes da guerra fria, seja no universo dos super heróis… Será isto por acaso? Serei apenas eu (com a minha eventual má vontade) a reparar nisto?

O papel destes “media” controlados ajudam a deturpar a realidade e a também a história. Estudos mostram que a perceção de quem derrotou o nazismo alterou-se nas últimas décadas, eclipsando os verdadeiros vencedores. Muitos acontecimentos cruciais no mundo são, pura e simplesmente, suprimidos da agenda mediática. Pelo contrário incidentes pouco significativos, são empolados – quando não mesmo inventados – para apresentar relevância mundial e influenciar a opinião pública num ou noutro sentido. Mas o pior, para mim, é que nos aculturam, nos minam as raízes endémicas, sem nos acrescentar valor ou acrescentando muito pouco. Creio que para muitos de nós, certos atores americanos são mais familiares que os nossos próprios atores. No nosso cérebro estão eventualmente mais enraizadas as imagens dos lares, das urbes, das crises, das alegrias americanas, que as que ocorrem no nosso próprio seio. A globalização não é isto, não pode ser isto.

O hamburger e a salsicha, ao que parece, superam ou tendem a superar, as nossas comidas tradicionais. Não tenho nada contra salsichas, mas chateio-me com esse facto. Gosto de salsichas, gosto de hamburgers, mas prefiro um cozidinho. E não tenho nada contra a globalização… nem contra americanos.

Daniel D. Dias

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Prevenções estivais -3



No verão o universo aquático – o paralelo e intrigante mundo dos peixes – é mais subversivo. Quer mergulhemos nas águas ou nas cervejarias, os bichos aquáticos atrairão sempre o nosso interesse, e, há sempre o risco, de se passar de predador a isco e de sermos engolidos por umas dessa bocas gigantes que escondem em lugares inesperados ou recônditos.

Fica então o conselho: antes de te entregares a um pescado observa primeiro se o fazes na qualidade de isco ou de predador. De cabeça fresca, observa o habitat do bicho e o estado das águas. Sonda, engoda, lê os menus com atenção. Depois decide. E, se for caso disso, mergulha. Mas tem sempre uma bóia debaixo de olho.


Daniel D. Dias

sábado, 30 de julho de 2016

Sou lógico, plenamente analógico


Sou lógico, plenamente analógico
no meu verso que une o universo
revejo o pão no colchão
o arranjo no marmanjo
e na peta do pateta
não topo pontos nem pespontos


Sou um tal que lida com o digital
sem a fatal idade da obscuridade
pois, que para esta pessoa, a broa
a cachopa que se topa
o tinto e a tinta com que repinta
a sardinha que se cozinha
assada e com salada
a fiada conversa, ou a perversa
a política até mesmo a paralítica
pode parecer digital que não é tal


Por prosódia por paródia
e por certeza na natureza
sei que é antológica a psicológica
mente e o tino do destino
- pois não há hiatos inatos -
sei que tudo é antropo – bio – axio – lógico,
caracteriológica mente analógico
no presente e no todo o sempre
seja na praia ou na cambraia
seja na caca ou na barraca


Daniel D. Dias

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Tarde cega


não esquecerei a cor dessa tarde:
era remota, tranquila, isenta de ameaças
havia odor a terra molhada e a feno
e o silêncio universal era pleno
de cânticos de grilos e de cigarras
salpicado dum ou outro chilreio de pássaro

tenho em conta a omnipresença do céu límpido e claro
e a certeza da água e da montanha por perto
a suscitar a sede de frescura e de sombras

eu caminhava, cego, pela tua mão
e pela proximidade do teu corpo
mas via com nitidez a terra afastar-se sob os meus pés
palmilhando o desígnio implacável do desejo

de pouco mais me lembro
retive a cor única, definitiva, dessa tarde
cor densa, comestível, que continha tudo
todas as cores, todos os ruídos
que me continha a mim e a minha própria cegueira


Daniel D. Dias

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Alfa e ómega

Sei que as palavras foram o princípio.

Antes das palavras não havia tempo
as manhãs eram sempre claras e eternas
as movimentadas tardes jamais terminavam
as noites, essas eram tremendamente escuras e infinitas
e não havia fronteiras nessa geografia sem horizonte

A génese das primeiras palavras não sei:
terão sido pedaços do mundo que quis reter?
sensações que recusei partilhar?
Mas como adorei esses mágicos rincões
indeléveis, que ainda hoje moldam a minha natureza!

Só muito mais tarde - talvez demasiado tarde
quando vislumbrei quanta areia perdia
por entre os dedos das mãos cerradas
as minhas palavras se tornaram gritos, apelos
instrumentos de busca de sentido, e algumas delas foram de amor

E descobri que as palavras, mesmo as melhores palavras
foram sempre o ectoplasma da vida
simulacros das coisas reais que dispensam nomes
que construíram o vácuo edifício da existência
no mundo cada vez mais ficcionado que partilho…

Agora sei que as palavras são também o fim


Daniel D. Dias

sábado, 16 de julho de 2016

Entardecer



A brisa da tarde cessou
deu lugar ao cálido entardecer
tempo de andorinhas tracejando o céu
farrapos da infância pairando dispersos

a mente, sem se anunciar, observa
nada busca
governa as palavras como pode


Daniel D. Dias

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Esperança


Anoiteço.
Sei que as nuvens da dúvida
vão invadir os meus sonhos de liberdade
e que eu, uma vez mais, irei lutar por madrugadas claras

Oh, quem me dera que o sono
não fosse uma Arca de Noé
de evasões frustradas
de fantasias de abismais azuis sem fim

Sobra-me a vaga esperança
de que a mão da sabedoria
me acolha, generosa,
numa recôndita aurora de lucidez

E fecho os olhos
numa resignação confortada:
o amanhecer, amanhã,  poderá ser diferente;
poderá mesmo ser real…


Daniel D. Dias

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Na mesma hora



Esta borboleta
este fulgor que faísca
está viva em mim

É sonho, é memória
é ilusão
e nada é. Eu sei

E sendo nada, é tudo.

Este mim que transmigra
lá no fundo do mistério das palavras
fica em silêncio

Escuta os discursos mais descabelados
palpita, vibra com todas as emoções
mas queda silencioso

Ele sabe o valor do silêncio
fala mas sabe que no interior da sua voz
só o silêncio reina

No seu palácio de vento e nuvens
o vazio da grande luz
aquece corações:
esses que não têm perguntas
esses que apenas existem
e nem sabem que existem
e alguns, também, que apenas se deixam existir

Esta borboleta que vibra em mim
sente os raios de sol
aquece, por algum tempo,

morre e vive na mesma hora


Daniel D. Dias

domingo, 15 de maio de 2016

Temer (e) o preço das desigualdades


A clássica técnica policial de investigar a autoria dum crime começando por determinar, antes de mais, quem mais lucra com ele, é exemplar no caso do Brasil e, duma forma geral, em toda a América Latina e países Caribenhos. Que diabo, não são demasiadas coincidências e todas a apontar para o mesmo lado? Acho que não é preciso fazer um grande esforço intelectual para perceber quem lucra com a eventual derrocada dos governos que levaram ou levam a efeito políticas progressistas nos últimos quinze/ vinte anos. Quem lucra com a descida dos preços do petróleo, quem ganha com a desregulação da economia e das instituições?
O regresso às ”virtudes” do passado sempre foi uma constante quando as classes poderosas se sentem ameaçadas nos seus privilégios. Os promotores destas ideias, houve tempo, em que o tempo estava invariavelmente do seu lado. Mas creio que, atualmente, as coisas não são bem assim. Os retrocessos programados exigem hoje em dia, gestões e manutenções dispendiosas, impossíveis de suportar por muito tempo. E as lealdades entre cavalheiros de indústria também já conheceram melhores dias.
Estes movimentos fascistas ou fascizantes, que se vão implementando um pouco por todo o lado - ostensiva ou sub-repticiamente -, estão por isso condenados ao fracasso no curto ou no médio prazo. Creio que, na essência da economia mundial, há algo novo ainda não assumido, mas cada vez mais evidente: Sai cada vez mais caro gerar ou manter desigualdades do que procurar acabar com elas.
Talvez a praxis económica ainda esteja apegada a inércias do passado. As mudanças - como se sabe – não são lineares, pesam muito e são difíceis. Mas a caminhada na direção da igualdade social – estou convicto - é irreversível e imparável. Temer e o que ele representa é sem dúvida de temer. Mas Dilma, e o que ela representa, talvez ainda tenham uma palavra a dizer.
Daniel D. Dias