segunda-feira, 9 de junho de 2014

Luar


Anoiteço.
Insidiosa a penumbra
por todo o lado me envolve
e eu permaneço aqui
como crisálida desinteressada em nascer

não me movo
não contesto a sombra
que desativa memórias
observo apenas
o perto a ficar longe

é um sono
um cansaço morno
junto à fogueira que fenece
ainda assim bruxuleante

No silêncio
a voz dum cão, longínqua
o hesitante grilar dos grilos
irrompem no ruido surdo das vagas
desse mar sempre presente

Resquícios do dia
ou saudações ao luar
que surge do nada
assinalando o outro lado da vida?


Daniel D. Dias

Sem comentários:

Publicar um comentário