sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Coisas do meu vizinho



Mal saía de casa – ia fazer umas compritas – o meu vizinho viu-me. Já sabia que ia haver conversa.
- Então vizinho, está satisfeito com a situação? – a situação, era, claro, a situação política do momento, e o meu vizinho não perdia tempo.  Ia, como de costume, direito ao assunto.
- Não sei, - esquivei-me à resposta -  ainda estou a digerir…
- Sabe o que eu penso? (Não esperou pela resposta) Estes tipos – referia-se à coligação PSD-CDS - tinham-na toda fisgada. E há já muito. Já se sabia que Sócrates era o alibi perfeito. Sendo o culpado do estado do país estes tipos podiam fazer tudo o que quisessem. O Seguro era o que lhes estava a calhar pois também alinhava com eles a culpar o Sócrates. O Costa é que lhes veio lixar o esquema. Além disso já andava a falar demais. Pô-lo como comentador não deu os resultados que estavam à espera. Por isso prenderam-no nas vésperas do congresso para eleger Costa…  Está a ver qual era a intenção?!
Não respondi. Sabia que ainda não terminara.
- Mas como não conseguiram lixar o Costa com a prisão de Sócrates, trataram de arranjar mais tempo para impedir que o PS tivesse a maioria absoluta que em maio ou junho (quando deviam ter sido as eleições) estava garantida. Lembra-se das sondagens?
Acenei-lhe que sim.
- Tudo apontava para isso. Portanto era preciso esticar mais o tempo e o “chefe” fez-lhes a vontade: marcou as eleições para outubro, altura em que já não podia dissolver o parlamento. Mas se tudo corresse como o previsto isso já não teria importância. A reeleição estaria já no papo. Havia confiança absoluta na propaganda do “seu” governo e dos governos europeus amigalhaços, baseada na ideia de que já estava tudo bem, que a crise em Portugal era coisa do passado, que Portugal não podia seguir o exemplo da Grécia... A habitual colaboração – quase total -  dos jornais e das televisões e um verão mais ameno haveriam de consolidar os resultados. Contavam ainda com os partidos da esquerda que não poupariam o PS, como, aliás, não pouparam. Já viu: A fé na vitória era tão grande que até soltaram o Sócrates na véspera das eleições…
- Vizinho: desculpe lá… - fiz menção de me ir embora mas ele ignorou o meu gesto.
- Mas o Costa trocou-lhe as voltas, percebe. Quem perde as eleições geralmente demite-se e Costa não fez isso. Se o tivesse feito os herdeiros do Seguro teriam voltado e dariam cobertura à maioria relativa da coligação a troco dumas concessões ligeiras. Costa já estava preparado e entalou-os. O que não pôde fazer antes – porque não teve maioria absoluta – fê-lo depois com uma esquerda  que sabia que se não o apoiasse ajudaria de novo colocar a direita no poder. Os eleitores dessa esquerda não lhe perdoariam. Costa fez o que já tinha ameaçado: Juntou-se a eles e formou uma maioria… Que mal tem isto?  Que não é tradição, que o povo não votou para isto…  Se calhar não, mas que importa?  O certo, certo, é que a direita  iá contava com o ovo no cu da galinha e a coisa saiu-lhe furada. Está a perceber? Estão lixados. Quando lhe convém é democrática quando não lhe convém bradam às armas. É preciso ter cuidado com esta malta…
- O vizinho é que tem de ter cuidado com o que diz. Há gente que não gosta dessa ideias… - disse-lhe sorrindo e afastando-me, desta vez decidido.
- Não se preocupe vizinho – ainda lhe ouvi, já ia eu escada a baixo – já estou velho… Borrifam-se pró que eu penso…

Daniel D. Dias


Sem comentários:

Publicar um comentário